Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam; João 5:39

domingo, 1 de fevereiro de 2015

A VIÚVA DE SAREPTA


II Reis 4: 1-7

INTRODUÇÃO
        
·                     Mulher viúva - Tipo da igreja necessitada e dependente do Senhor;
·                     Os filhos - São aqueles que foram gerados pela igreja, e que são ameaçados de escravidão pelo credor (adversário);
·                     A dívida - o salário do pecado, a morte - Rom 6: 23;
·                     A botija de azeite - Bênção do Espírito na vida da igreja, a Obra profética e os dons no corpo. 

DESENVOLVIMENTO

A igreja vive nesta hora um momento que requer muito cuidado e vigilância. O mundo sofre uma época de escassez espiritual, e nesta hora o inimigo se levanta, qual credor sem misericórdia, buscando escravizar a muitos.

Aquilo que vai manter os filhos seguros na presença do Senhor, é a abundância da sua bênção - o azeite - na vida da igreja, e ela não pode permitir que seus filhos sejam novamente escravizados. A igreja deve clamar ao Senhor, para que a bênção não falte na sua vida.

Às vezes a igreja se vê ameaçada por causa da falta de azeite, isto é, a bênção parece que está acabando, os dons não fluem mais e o Senhor parece que se esqueceu da igreja. Quando isso acontece, os filhos são ameaçados e alguns podem ser levados para o cativeiro, pois o credor, que é o inimigo, se apresenta para reclamar seus “direitos”.
O que se deve fazer quando a igreja passa por esta fase?

A primeira coisa a fazer é clamar ao Senhor e colocar a situação diante da sua face;
Depois devemos reconhecer e confessar a falha de termos deixado o azeite acabar;
Em seguida devemos colocar diante do Senhor o pouco que temos e crer que Ele pode voltar a derramar sua bênção sobre nós novamente;

Por fim, a igreja deve se entregar ao trabalho de juntar vasos, isto é, convidar pessoas e evangelizar para que a bênção seja multiplicada e traga crescimento. Isso deve ser feito acompanhado com orações, intercessões, vigílias e madrugadas, para que os vasos se encham de azeite. A maior bênção na vida da igreja acontece quando ela vê novas vidas sendo alcançadas e sendo cheias do Espírito Santo.

CONCLUSÃO

A igreja só será vitoriosa juntamente com seus filhos, quando ela entende que não pode deixar faltar azeite na sua botija - a bênção do Espírito no seu coração. A orientação do Senhor  para que o azeite seja mantido, é que ela não cesse de trazer vasos - vidas novas - para sua casa. A igreja não pode parar de trabalhar, caso contrário seus filhos serão escravizados pelo adversário. Através da realização da Obra, a igreja se livra da dívida - morte -  e seus filhos recebem o escape.


Obra de Valor


Leia Mais ››

sábado, 31 de janeiro de 2015

DEUS QUE TRABALHA



Isaías 64:4         “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem se viu um Deus além de ti, que trabalhe para aqueles que nele esperam.”


Vemos na Palavra o trabalho do Senhor em favor do homem.

Deus chama um homem, Abraão e a partir de sua descendência, forma uma nação, Israel.

Esta nação recebeu a promessa da vinda do Salvador para ela e para toda a humanidade.

Deus trabalhou dia após dia, mostrando o seu poder e maravilhas a este povo. Riquezas espirituais lhes foram reveladas.

Através de seus poderosos atos, o Senhor se fez conhecer ao povo. Manifestou a sua glória, em muitas experiências. O Senhor parou o sol para que o povo obtivesse a vitória. Abriu o Mar Vermelho e o rio Jordão para que o povo passasse.

Deus revelava as intenções dos povos inimigos. Na hora da incerteza diante da guerra, o Senhor enviava o seu profeta e a Sua Palavra operava livramento e vitória.

Todos que confiaram no Senhor puderam ver a Sua Mão operar em toda a diversidade. O que não se podia alcançar, foi alcançado, porque para o Senhor não há impossíveis.

Para dar a vitória ao servo que Nele espera o Senhor muda as mentes, os corações, as situações. Ana não podia ter filhos, mas confiou e o Senhor lhe deu Samuel. Jacó não era o primogênito de seu pai, mas confiou  e lutou e a benção foi dele. Raabe confiou no Senhor, acolheu os espias e foi salva da morte. Davi foi duramente perseguido por Saul, mas foi fiel e obediente e recebeu o Reino no tempo determinado. 

Os homens precisam dormir, para descansar o seu corpo, mas o Senhor trabalha em favor do seu servo a toda hora, de dia, à noite, de madrugada. Pois a Palavra diz que não dorme o Guarda de Israel e que O Senhor  abençoa os seus servos até enquanto dormem.

Mas, o mais maravilhoso trabalho, foi o Senhor Jesus ter vindo, na forma de homem e ter morrido como um cordeiro, em morte de cruz, com todo o sofrimento, para que o homem pudesse ser salvo, pelo seu Sangue.

Na sua ressurreição de entre os mortos, temos também a certeza de que com ele viveremos, para sempre.

Este ato transformou em ação todo o Amor de Deus por nossas vidas.

A Palavra diz que "O trabalho de sua Alma ele verá, e ficará satisfeito", se referindo ao resultado do sacrifício do Senhor Jesus, na cruz.(Is.53:11)

O homem  está ouvindo a Palavra do Senhor  e vendo a Obra que o Senhor está realizando no meio de seus servos. Na Obra vemos a continuação do trabalho do Senhor Jesus. Seus feitos são sentidos e conhecidos.

Na Obra o nosso fardo se torna leve,  porque o  Senhor leva as nossas cargas, nos dirigindo e operando em nossas vidas, através do Seu Espírito Santo.

Para que o homem também tenha os benefícios do  trabalho do Senhor, precisa deixar de esperar em si mesmo e em outras coisas que são ilusão.
O homem pode ter procurado em muitas coisas e em muitos lugares por um Deus que faça algo por ele.


Mas a Palavra diz " Não se ouviu e nem se viu  Deus além de ti",  porque o Senhor é o único Deus verdadeiro, que é vivo e age em favor daquele que esperar Nele. 

Wallace Oliveira Cruz
Leia Mais ››

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A SARÇA ARDENTE



Êxodo 3: 1-3

1  E APASCENTAVA Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe.
2  E apareceu-lhe o anjo do SENHOR em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia.
3  E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça não se queima.                             

INTRODUÇÃO

A queima de uma sarça era algo comum no deserto, aquilo acontecia diariamente. Por causa do sol escaldante as sarças ardiam, e eram consumidas pelo fogo causado pela combustão espontânea.

Muitos pensam que a Obra de Deus é algo comum no meio deste mundo. Quando alguém entra numa igreja da Obra, às vezes pensa que está entrando numa igreja qualquer. As pessoas têm tido muitas decepções neste mundo, inclusive dentro de igrejas tidas como cristãs, e isso acontece porque  as coisas deste mundo consomem os homens e os destroem.          
                                                                                                      

DESENVOLVIMENTO 

Houve um dia, quando apascentava as ovelhas do seu sogro no deserto de Midiã, em que Moisés viu algo diferente acontecer; Ele viu uma sarça ardendo no meio do fogo, mas ela não se consumia. Ele então, se deteve em observar aquilo, e Deus começou a falar com ele, revelando o seu Projeto para sua vida.

A Obra do Senhor é algo totalmente diferente de tudo que se costuma ver neste mundo. A Obra arde no nosso coração, mas ela não nos consome nem nos destrói. Ela nos preserva, nos purifica e nos dá vida eterna. Quando o homem se detém em observar a Obra de Deus, ele ouve a voz do Senhor, e começa a conhecer o seu Projeto para sua vida.

Nós somos como sarças no deserto deste mundo. O fogo deste mundo, que são as lutas e problemas da vida, nos consomem. Mas o fogo do Espírito Santo, quando vem sobre nós, opera uma Obra de restauração, conservação e preservação para a vida eterna. 

CONCLUSÃO 

Todas as instituições humanas estão num processo de corrupção e decadência, mas a Obra do Espírito se conserva e não se consome. Nós somos provados, mas o fogo que nos prova, é o mesmo que nos consome.


Deus chamou Moisés para o ministério, não para lhe dar um presente, mas para que ele socorresse um povo aflito, que estava escravizado no Egito. 

Wallace Oliveira Cruz
Leia Mais ››

AMAR EM PRIMEIRO LUGAR


 “Nós o amamos a ele porque ele nos amou primeiro.” I João 4:19


É gratificante ver a Palavra de Deus se cumprir a cada acontecimento, isto fortalece e solidifica cada vez mais a nossa fé. Temos a absoluta certeza de estarmos trilhando o caminho certo, confiantes em nosso amado Salvador, tendo nossas almas sustentadas por Ele. Ele cumpre tudo aquilo que promete de acordo com o Seu tempo, tudo está sob suas rédeas.

Se por um lado nos alegramos ao ver Deus cumprir seus divinos prenúncios, por outro é triste e repugnante ver como o amor esfriou (como está escrito que aconteceria). As pessoas têm agido inescrupulosamente apenas em prol de seus próprios interesses, anulando tudo aquilo que não lhes traga algum proveito social, financeiro ou meramente carnal usando umas as outras de tal maneira que não parece conveniente serem chamadas de ‘’animais racionais’’. Parece mais uma competição predatória em busca de prazeres mundanos os quais são momentâneos e não produzem nada além de pecado e subsequentemente, morte.

Sabe-se a única consequência do pecado é a morte, da qual a parte mais triste é permanecer a eternidade longe de Jesus Cristo. São-nos concedidas diariamente novas chances de fazermos tudo diferente, a começar por amar a Deus em primeiro lugar, pois quando o fazemos automaticamente nos é imputada a vontade suprema de cumprirmos seus decretos.

Vejamos o quanto Deus nos amou ao entregar Seu precioso Filho para pagar por nossos pecados, para que pudéssemos ser chamados de Seus Filhos. Sua misericórdia se alastra de tal maneira que somos convidados a compartilhar este amor com o nosso próximo. Não desperdicemos cada oportunidade que tivermos de amar, perdoar, acolher e compreender; porém sempre amando aquilo que Deus ama e abominando aquilo que Deus abomina!

A raiz de todos os males é a falta de amor. Direcionemos nossos esforços para amar da maneira que Jesus deseja que amemos. Devido à nossa natureza pecaminosa é uma luta árdua, porém seremos vencedores, pois nossa força vem de um Deus que opera milagres e maravilhas! Olhe ao seu redor e garanto que observará diversos motivos para glorificá-Lo. Nele somos capazes de amar, pois compreendemos que Ele, que nos amou primeiro, nos capacita a agirmos de acordo com o Seu Evangelho.


Que Deus os abençoe. 


EstherMoore
Leia Mais ››

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

A TORRE DE SILOÉ

Lucas 13: 1-5

1 Naquela mesma época, alguns dos que estavam presentes foram dizer a Jesus que Pilatos havia misturado o sangue de alguns galileus com os próprios sacrifícios que ofereciam. 
2 Ao que Jesus lhes advertiu: “Julgais que esses galileus fossem mais pecadores do que todos os demais galileus, por haverem sofrido dessa forma? 
3 Pois Eu vos asseguro que não! Todavia, se não vos arrependerdes, todos vós, semelhantemente perecereis.
 4 Ou pensais vós, que aquelas dezoito pessoas, sobre as quais desabou a torre de Siloé e as matou eram mais culpadas que todos os outros habitantes de Jerusalém?
 5 Com certeza não eram, Eu vo-lo afirmo. Porém, se não vos arrependerdes, todos vós, da mesma maneira perecereis. A parábola da figueira estéril 


INTRODUÇÃO

A Torre de Siloé provavelmente era a Torre de Ofel, situada no bairro de mesmo nome, onde também estava o Tanque de Siloé. Esta torre havia desabado sobre dezoito galileus, os quais morreram. A Palavra faz referência a Pilatos – governador da Judéia, como que responsabilizando-o, de alguma forma, pelo acidente com os galileus, cujo sangue foi misturado com o dos seus sacrifícios.

DESENVOLVIMENTO

Os galileus habitavam o norte de Israel – a Galiléia, numa região predominantemente habitada também por gentios, e a opinião de muitos é que eles haviam sofrido a sua influência.
        
Havia um comentário, na ocasião em que o Senhor Jesus estava presente, que o acidente que vitimara aqueles dezoito galileus, foi em consequência dos seus muitos pecados cometidos em vida, e que tudo foi um juízo, isto é, um pagamento pela forma como viveram. Falando assim, aqueles comentaristas estavam se julgando melhores e mais justos do que os galileus mortos, simplesmente pelo fato de não haverem sido eles as vítimas.

Muitos hoje em dia, admitem e adotam o mesmo pensamento. Quando vêem um fato assombroso acontecendo com alguém, logo dizem que aquilo tinha que acontecer, pois as pessoas envolvidas mereceram aquilo de alguma forma. Quando algumas dessas pessoas encontram um paralítico, por exemplo, ou uma pessoa sofrendo algum infortúnio, afirmam que ela está hoje nesta situação porque em “vidas anteriores” foi má ou injusta, e agora está pagando por seu “passado”. Em todos os casos, a pessoa sempre se exclui, achando que tudo está bem com ela e nunca nada de mal vai lhe acontecer.

O Senhor Jesus advertiu seriamente aqueles homens, chamando sua atenção para o fato diametralmente oposto ao que pensavam, de que todo pecado que o homem cometer será julgado mais cedo ou mais tarde, e que se alguém até agora não sofreu o que muitos sofreram ou estão sofrendo, não significa que o tal seja melhor que os outros. Se alguém pereceu no seu pecado, o outro de igual modo, mais cedo ou mais tarde também perecerá, se não se arrepender antes.

A verdade é que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Tudo que o homem tem sofrido, é consequência dos seus pecados e a única maneira de escapar das consequências, é através do arrependimento e da conversão ao Senhor Jesus Cristo.

Todos pecaram e receberão o mesmo juízo se não tratarem de obter o perdão antes. Aquele que crê em Jesus não entrará em juízo, pois Jesus já foi julgado em seu lugar, fazendo-se pecador por ele e tomando sobre si o juízo da morte. Precisamos tomar sobre nós, pela fé, a morte de Jesus e morrer também para o pecado, a fim de alcançarmos a justificação e a vida eterna (Rom 6: 7). Se rejeitarmos a oferta de Deus e a advertência de Jesus, todos de igual modo pereceremos, e o perecer significa falência total e morte eterna (espiritual), não importando a maneira da morte física.

CONCLUSÃO

O juízo é um só para todos os pecadores, e só o arrependimento e a mudança de vida, pela fé em Jesus, podem justificá-lo diante de Deus e livrá-lo da morte eterna.    


(Os textos usados nesta mensagem foram extraídos da Tradução da Bíblia King James Atualizada (KJA), 1º Edição Setembro 2012, Edição de estudo - 400 anos, com a tradução do Antigo Testamento com originais em Hebraico e Aramaico e o Novo Testamento nos originais em Grego).

Bíblia King James Atualizada (Português) © 2012 Abba Press. Usado com permissão.

Wallace Oliveira Cruz
Facebook        Twitter                      


Leia Mais ››