ANUNCIANDO A VOLTA DO SENHOR JESUS

▬▬► "E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. Apocalipse 22:17"

CONHEÇA MINHAS REDES SOCIAIS


Wallace Oliveira Cruz

sábado, 23 de maio de 2015

A SANTA CEIA




Marcos 14: 22-26

22  E, comendo eles, tomou Jesus pão e, abençoando-o, o partiu e deu-lho, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.
23  E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho; e todos beberam dele.
24  E disse-lhes: Isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que por muitos é derramado.

25  Em verdade vos digo que não beberei mais do fruto da vide, até àquele dia em que o beber, novo, no reino de Deus.
26  E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras.
Pedro é avisado


(Mt 26:26-30    Lc 22:19-23  )

INTRODUÇÃO


No dia da Páscoa, o Senhor Jesus e os discípulos cumpriram o que estava ordenado na Lei e comeram o cordeiro assado no fogo com pães asmos e ervas amargosas. Em seguida, o Senhor estabeleceu a Nova Aliança com os discípulos, usando como elementos simbólicos o Pão e o Vinho.

DESENVOLVIMENTO


O primeiro elemento tomado por Jesus foi o Pão, o qual foi abençoado, partido e comido por todos que estavam ali com Ele.

O Senhor Jesus revelou naquele momento, que o Pão representava o seu Corpo que seria partido por amor a eles. O Corpo de Jesus também simboliza a Igreja Fiel, por isso Ele o abençoou. Comer o pão significa viver na comunhão do corpo, integrado nele e vivendo em função dele. Jesus disse que todo aquele que se alimentasse de sua carne viveria eternamente – Jo 6: 54. Isto quer dizer que a vida eterna se manifesta no corpo, que é a igreja do Senhor Jesus.
        
Antes de Jesus mandar os discípulos comerem o pão, Ele o partiu. Com isso, Jesus quis mostrar que eles o conheceriam não apenas exteriormente, mas interiormente. A partir daquele momento o Senhor estaria revelando à sua igreja a profundidade e as maravilhas da sua Obra, a sua intimidade e os seus mistérios – Salmo 25: 14 e Heb 8: 11.

Depois o Senhor tomou o cálice com Vinho e deu graças, então ordenou aos discípulos que tomassem dele.

O Vinho é tipo do Espírito Santo que foi derramado por nós pelo Sangue. Por isso Jesus deu graças por ele, porque o Espírito Santo seria enviado pelo Pai, para estar ao nosso lado e não nos deixar órfãos. O Senhor também disse: “Tomai dele todos” – de um único cálice.
        
Antigamente, quando duas ou mais pessoas faziam um acordo ou uma aliança, elas pegavam um cálice de vinho, e todos os participantes tomavam um gole dele. Isso significava que estavam de acordo com o que foi tratado e com suas consequências, quer fossem agradáveis ou não.
         
Ao tomar o cálice, Jesus mostrou aos discípulos que eles seriam participantes da Nova Aliança, e que estariam prontos a enfrentar todas as consequências dela. Beber o vinho significa participar do Espírito Santo, deixar-se dominar por Ele, morrer para este mundo por Jesus, para alcançar a vida eterna.

CONCLUSÃO

A Nova Aliança consiste de uma vida no Corpo, alimentando-se do Pão da Vida, que é o Senhor Jesus, e bebendo do Vinho, em comunhão e na revelação do Espírito Santo, dia após dia. A Santa Ceia é a forma revelada por Jesus, de confirmarmos essa realidade até a sua volta.             
                  
Wallace Oliveira Cruz
Leia Mais ››

BÍBLIA: INSPIRADA POR DEUS






Esta palavra deriva-se de in spiro, "soprar para dentro, insuflar", aplicando-se na Escritura não só a Deus, como Autor da inteligência do homem (Jó 32.8), mas também à própria Escritura, como "inspirada por Deus" (2Tm 3.16). Nesta última passagem claramente se acha designada uma certa ação de Deus, com o fim de transmitir ao homem os Seus pensamentos. Ainda que se fale primeiramente de inspiração no Antigo Testamento, pode o termo retamente aplicar-se ao Novo Testamento, como sendo este livro considerado também como Escritura. A palavra, significando "sopro de Deus", indica aquela primária e fundamental qualidade que dá à Escritura o seu caráter de autoridade sobre a vida espiritual, e torna as suas lições proveitosas nos vários aspectos da necessidade humana.

       O que é a inspiração, pode melhor inferir-se da própria reivindicação da Escritura. Os profetas do Antigo Testamento afirmam falar segundo a mensagem que Deus lhes deu. O Novo Testamento requer para o Antigo Testamento esta qualidade de autoridade divina. De harmonia com isto, fala-se em toda parte da Escritura, como sendo a "Palavra de Deus". Tais designações como "as Escrituras" e "os oráculos de Deus" (Rm 3.2). havendo também frases como estas - "esta escrito" - claramente mostram a sua proveniência divina.  Além disso, são  atribuídas as palavras da Escritura a Deus como seu Autor (Mt 1.22; At 13.34), ou ao Espírito Santo (At 1.16; Hb 3.7); e a respeito dos escritores se diz que eles falavam pelo Espírito Santo (Mt 2.15). E deste modo as própria palavras da Escritura são considerada de autoridade divina (Jo 10.34,35; Gl 34.16), e as suas doutrinas são designadas para a direção espiritual e temporal da humanidade em todos os tempos (Rm 15.4; 2Tm 3.16). O apóstolo Paulo reclama para as suas palavras uma autoridade igual à do Antigo Testamento como vindas de Deus; e semelhante coloca a sua mensagem ao nível das mais antigas Escrituras.

       A garantia de ter esta doutrina da Sagrada Escrituras autoridade divina está no ensinamento a respeito do ES, que foi prometido aos discípulos de Cristo como seu Mestre e Guia (Jo 14.26; 16.13).

       É melhor usar o termo "revelação" quando se tratar, propriamente, da matéria da mensagem, e a palavra "inspiração" quando quisermos falar do método pelo qual foi revelada a mensagem. Por inspiração da Escritura nós compreendemos a comunicação da verdade divina, que de certo modo é única em grau e qualidade. Como os apóstolos eram inspirados para ensinar de viva voz, não podemos pensar que não tivessem sido inspirados quando tinham de escrever. Por conseqüência, podemos considerar a inspiração como especial dom do Espírito Santo, pelo qual os profetas do Antigo Testamento, e os apóstolos e seus companheiros no Novo Testamento, transmitiram a revelação de Deus, como eles a receberam.

       É claro o fato de uma única inspiração das Escrituras. Mas até onde se estende esta inspiração? Revelação é a manifestação dos pensamentos de Deus para a direção da vida do homem.  Se a vontade divina tem de ser conhecida, e transmitida às gerações, deve ser corporificada em palavras; e para se estar certo dos pensamentos, é preciso que estejamos certos das palavras. A inspiração deve, portanto, estender-se à linguagem.

       Em 2Pe 1.21, os homens, e em 2Tm 3.16, a Escritura, diz-se serem inspirados; na verdade, não poderíamos ficar satisfeitos, considerando inspirados os homens, e não os seus escritos, porque a inspiração pessoal deve, necessariamente, exprimir-se pela escrita, se é certo que tem de perpetuar-se. A vida estender-se por toda parte do corpo, e não podemos realmente fazer distinção entre o espírito e a forma, entre a substância e o molde.

       Todavia, a expressão "inspiração verbal" precisa ser cuidadosamente determinada  contra qualquer noção errônea. A possibilidade de haver má compreensão faz que muitos cristãos prefiram a frase "inspiração plenária". A inspiração verbal não significa um ditado mecânico, como se os escritores fossem instrumentos meramente passivos: ditar não é inspirar. A inspiração verbal estabelece até que ponto vai a inspiração, estendendo-se tanto à forma como à substância. Diz-nos o "que é", e não "como é", não nos sendo explicado o método da operação do Espírito Santo, mas somente nos é dado conhecer o resultado. Deus fez uso das características natural de cada escritor, e por um ato especial do Espírito Santo, habilitou-os a comunicar ao homem, por meio da escrita, a Sua divina vontade. Observa-se esta associação do divino e do humano nas passagens como estas:   Mt 1.22; 2.15; At 1.16; 3.18; 4.25. A operação do Espírito Santo junta-se com a atividade mental  do escritor, operando por meio dele e guiando-o. Ainda que não saibamos explicar o modo de tal operação, conhecemos os seus resultados. Certamente esta maneira de ver a respeito da inspiração refere-se somente aos escritos, como eles saíram das mãos dos escritores originais. Os manuscritos originais não foram preservados e por isso precisamos do auxílio de um minucioso criticismo textual de tal maneira que possamos aproximar-nos tanto quanto possível do tempo e das circunstância dos autógrafos.

      Esta maneira de compreender a inspiração pode ser justificada pelas seguintes considerações:

a) O uso atual da Bíblia, na vida e obra da Igreja cristã, sendo acentuada a sua autoridade no ensinamento verbal.

b) Uma ponderada e sábia exegese em todos os tempos mas especialmente em nossos dias.

c) O recurso à Bíblia em todos os assuntos de controvérsia.

d) A crença sobre este ponto nos tempos apostólicos e sub-apostólicos.

e) O uso do Antigo Testamento pelos escritores do Novo Testamento, notando-se 284 citações, e frases como "está escrito".

f) Jesus Cristo acha apoio no Novo Testamento para suas considerações, como em Jo 10.30-36.

g) Os profetas e os apóstolos consideravam-se homens inspirados (2Sm 23.2; Jr 36.4-8; 1Co 2.13; 14.37).

        É impossível limitar a inspiração à doutrina, e considerar a história como sujeita a circunstâncias comuns, pois que  doutrina e história estão  unidas de tal modo que não podem separar-se. A própria revelação de Cristo é a de uma pessoa histórica, sendo inseparável os fatos e as doutrinas que lhe dizem respeito. E diz o Novo Testamento que a história do Antigo Testamento é inspirada e escrita pra nossa instrução  (Rm 4.23,24; 15.4; 1Co 10.6,11).

        Sendo a Bíblia uma autoridade para nós, assim a devemos considerar, seja qual tenha sido o método da inspiração: porquanto o valor da autoridade realmente independente de todas as particularidades sobre o modo como foi inspirada. É auxiliado o estudo da inspiração pela analogia entre o Verbo encarnado e a Palavra escrita: ambos são divinos, e também são humanos, embora, em cada caso, é impossível dizer onde termina o divino e começa o humano. Ambos os elementos ali estão, reais e inseparáveis, de maneira que, quer se trate de Cristo ou da Bíblia, podemos dizer que tudo é perfeitamente humano e tudo é absolutamente divino.

Wallace Oliveira Cruz

Leia Mais ››

sexta-feira, 22 de maio de 2015

“MUITO MAIS DO QUE ISSO PODE DAR-TE O SENHOR”



TEXTO: II CR. 25: 5-9- “ Amazias reuniu os homens de Judá e, de acordo com as suas respectivas famílias, nomeou chefes de mil e de cem em todo o Judá e Benjamim. Então convocou todos os homens com mais de vinte anos e constatou que havia trezentos mil ho­mens prontos para o serviço militar, capazes de empunhar a lança e o escudo.
Também contratou em Israel cem mil homens de com­bate pelo valor de três toneladas e meia de prata.

 Entretanto, um homem de Deus foi até ele e lhe disse: "Ó rei, essas tropas de Israel não devem marchar com você, pois o Senhor não está com Israel; não está com ninguém do povo de Efraim.

Mesmo que vá e combata corajosa­mente, Deus o derrotará diante do inimigo, pois tem poder para dar a vitória e a derrota".

 Amazias perguntou ao homem de Deus: "Mas, e as três toneladas e meia de prata que paguei a estas tropas israelitas?" Ele respondeu: "O Senhor pode dar-lhe muito mais que isso".

INTRODUÇÃO:

O TEXTO NOS FALA DA PREPARAÇÃO DO REI AMAZIAS QUE FOI O 9º REI DE JUDÁ, PARA UMA GUERRA CONTRA OS EDOMITAS, E COMO ERA DE COSTUME, O REI FEZ ENTÃO UMA INSPEÇÃO DA SUA INFANTARIA ( SOLDADOS ) PARA IR A BATALHA. FEITA A INSPEÇÃO ( CONTAGEM ) 300 MIL HOMENS CAPAZES PARA SAIR A GUERRA E MANEJAR LANÇA E ESCUDO.PORÉM O REI ACHOU QUE ERA POUCO E DECIDIU CONTRATAR 100 MIL HOMENS DO EXÉRCITO DE ISRAEL, A UM PREÇO DE 100 TALENTOS DE PRATA ( EQUIVALE 1 TALENTO= 6.000 DENÁRIOS).

NÓS VIVEMOS NUMA BATALHA ESPIRITUAL, POR ISSO DEVEMOS BUSCAR E CONFIAR NO SENHOR, ENTENDENDO QUE SÓ SEREMOS VITORIOSOS SE SENHOR ESTIVER CONOSCO. PORQUE DO CONTRÁRIO DE QUE VALERÁ LANÇAS, ESCUDOS, NÚMEROS DE SOLDADOS. PROVÉRBIOS 21:31- “ PREPARE-SE O CAVALO PARA O DIA DA BATALHA, PORÉM DO SENHOR VEM A VITÓRIA.”

DESENVOLVIMENTO:

O NOME AMAZIAS SIGNIFICA “FORTALECIDO POR DEUS.” AO LONGA DA CAMINHADA O SENHOR TEM FORTALECIDO O SEU POVO PARA ENFRENTARMOS OS EMPATES DA VIDA.
VS. 7-8- O CONSELHO QUE FOI DADO AO REI AMAZIAS, ATRAVÉS DO HOMEM DE DEUS. O MESMO CONSELHO QUE DEUS TEM DADO AOS SEUS SERVOS:

Ø  NÃO DEIXES IR CONTIGO O EXÉRCITO DE ISRAEL = A VITÓRIA NÃO ESTAR NA QUANTIDADE, MAS EM O HOMEM ESTAR EM COMUNHÃO COM DEUS.
Ø  PORÉM VAI SÓ = NÃO ESTAR MISTURADO COM O MUNDO ( SANTIFICAÇÃO ).
Ø  AGE = É NÃO ESTAR PARADO, MAS AGINDO NO ESPÍRITO, NA REVELAÇÃO.
Ø  SÊ FORTE = A OBRA NÃO É PARA OS FRACOS, E SIM PARA OS FORTES. PARA AQUELES QUE TEM UMA VIDA DE OBEDIÊNCIA A PALAVRA DE DEUS.

VS. 9- A PERGUNTA DO REI? PREOCUPADO COM O MATERIAL.

A RESPOSTA DO HOMEM DE DEUS? MUITO MAIS DO QUE ISSO ( MATERIAL ) PODE ( DEUS TODO PODEROSO) DAR-TE O SENHOR ( A VIDA ETERNA ).
LC.18.26-30- “Os que ouviram isso perguntaram: "Então, quem pode ser salvo?"
Jesus respondeu: "O que é impossível para os homens é possível para Deus".
 Pedro lhe disse: "Nós deixamos tudo o que tínhamos para seguir-te!"
Respondeu Jesus: "Digo a verdade: Ninguém que tenha deixado casa, mulher, irmãos, pai ou filhos por causa do Reino de Deus
deixará de receber, na presente era, muitas vezes mais e, na era futura, a vida eterna".

EF. 3.20- “quele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós,”
MT.6.31-33- “Se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, não vestirá muito mais a vocês, homens de pequena fé?
 Portanto, não se preocupem, dizendo: 'Que vamos comer?' ou 'Que vamos beber?' ou 'Que vamos vestir?'
 Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas.
Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês.

DEUS CONCEDEU A AMAZIAS UMA ESMAGADORA VITÓRIA NO VALE DO SAL.
QUAIS SÃO OS SEUS INIMIGOS?
ENFERMIDADES, DESEMPREGO, DESÂNIMO,ENTRE OUTROS. NÃO IMPORTA QUAIS SEJAM OS SEUS INIMIGOS O SENHOR É O DEUS ONIPOTENTE QUE PODE TODAS AS COISAS.

CONCLUSÃO:

PARA QUE O HOMEM POSSA ALACANÇAR VITÓRIAS NAS BATALHAS QUE SÃO TRAVADAS AO LONGO DA SUA VIDA SÃO NECESSÁRIOS : DAR OUVIDOS Á PALAVRA DE DEUS E  CONFIAR  NO SENHOR DE TODO O SEU CORAÇÃO.




JOSENILSON FÉLIX
Leia Mais ››

AGONIA DE JESUS


        
Relato de um médico francês Dr. Barbet , professor-cirurgião, sobre a agonia de Jesus Cristo , reconstituindo as dores sofridas por Ele, em nosso lugar .

"Sou um cirurgião, e dou aulas há algum tempo.Por treze anos vivi em companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo.

Posso portanto escrever sem presunção a respeito de morte, como a de Jesus. "Jesus entrou em agonia no Getsêmani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra". O único evangelista que relata  fato é um médico, Lucas.E o faz com a precisão de um clínico. O suar sangue, ou "hematidrose", é um fenômeno raríssimo.

É produzido em condições excepcionais : para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus.

Tal tensão extrema produz o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra. Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes.

Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus. Os soldados de despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos.

Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor.

As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira e vem uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto, pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue.

Depois do escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar ( os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo ).

Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado. Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da cruz; pesa uns cinqüenta quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário. Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheias de pedregulhos. Os soldados o puxam com as cordas. O percurso, é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas.
Quando Ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega, e lhe esfola o dorso. Sobre o Calvário tem início a crucificação. Os carrascos despojam o condenado, mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz. Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata.

Cada fio de tecido adere à carne viva ; ao levarem a túnica, se laceram as terminações nervosas postas em escoberto pelas chagas. Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim. O sangue começa a escorrer. Jesus é deitado de costas, as suas chagas se incrustam de pedregulhos. Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz.Os algozes tomam as medidas. Com uma broca é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos. Os carrascos pegam um prego ( um longo prego pontudo e quarado ), apoiam-no sobre o pulso de Jesus, com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente.

O nervo mediano foi lesado. Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante ,agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que o homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos : provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte : a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego, quando o corpo é suspenso na cruz, o nervo esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas. O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, o encostam na estaca vertical.

Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera. As pontas cortantes da grande coroa de espinhos penetram o crânio. A cabeça de Jesus inclina-se para a frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira. Cada vez que o mártir levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor. Pregam-lhe os pés. Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir.

Tem sede . Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara, uma esponja embebida em bebida ácida, em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz. Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enriquecem em uma contração que vai se acentuando : os deltóides , os bíceps esticados e levantados, os dedos, se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam titânia, quando os sintomas se generalizam : os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis, em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço , e os respiratórios. A respiração se faz, pouco a pouco mais curta.

O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar : como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianítico. Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita. Mas o que acontece ? Lentamente com um esforço sobre-humano ,Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços.

Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial. Por que este esforço ? Porque Jesus quer falar: "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem". Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por Ele na cruz : cada vez que falou, elevou-se, tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável !Atraídas pelo sangue que ainda escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas Ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde : de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas.

Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento : "Meu Deus, Meu Deus, porque me abandonastes?". Jesus grita : "Tudo está consumado !". Em seguida num grande brado diz: "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito". E morre . E morre, no meu lugar e no seu .

Não façamos dessa morte , que trouxe nova vida a todos nós, uma morte sem nexo. Tem que estar em você , dentro de você o espírito de Jesus.
Ame-o e glorifique-o todos os dias da sua vida.



Wallace Oliveira Cruz

Leia Mais ››

quinta-feira, 21 de maio de 2015

“SOBRE TUDO O QUE SE DEVE GUARDAR, GUARDA O TEU CORAÇÃO, PORQUE DELE PROCEDEM AS SAÍDAS DA VIDA”.



GUARDA O TEU CORAÇÃO PRA JESUS


Provérbios 4:23

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida”.
        


I
NTRODUÇÃO à O livro de Prevérbios foi escrito pelo rei Salomão. Salomão, naquilo que ele foi fiel ao Senhor, ele é tipo do Espírito Santo. Ele escreveu cerca de 3000 provérbios, que são conselhos dos mais variados tipos para a vida do homem, para que viva bem, para que utilize o seu tempo de vida sobre a terra de maneira a engrandecer o Criador, pois as demais coisas, segundo Salomão em toda sua sabedoria que jamais homem algum teve, tudo são vaidades.


D
ESENVOLVIMENTO à Sobre tudo o que se deve guardar à  O homem, em sua vida, quer guardar muitas coisas, ajuntar para si bens, valores materiais e culturais, e torna tais objetivos como os principais em sua vida. Passa todo o tempo voltado para essas coisas, mas se esquece que são valores temporários, que em um momento se tem, por um momento se alcança, e ainda que os alcance por toda a vida terrena, eles jamais serão capazes de satisfazerem as ansiedades da alma. Desta forma, o conselho Espírito Santo é: acima de tudo guarda o coração.

Guarda o coração à O coração fala do que é vital em nossas vidas, do que é sensível e merecedor de todo um cuidado especial. Simboliza o lugar onde se retém os sentimentos, é o lugar onde se guarda os sentimentos, as grandes amizades, as coisas que realmente nos tem valor. Assim, o conselho é para guardar o coração para que somente o Criador esteja nele, para que somente a benção do Senhor possa ficar no coração, reservada, preenchendo todo vazio, saciando toda a sede da alma. E guardar para que o mundo mal não entre e nos impeça de ver o Caminho da Salvação: Jesus.

Porque dele procedem as saídas da vida à Por que saídas da vida? Dentre as funcionalidades dos órgãos do corpo humano, uma das funções do coração é bombear o sangue levando vida e alimento as demais partes do corpo. Por isso saídas da vida, pois o coração que está cheio da benção do Senhor injeta vida espiritual para o homem, faz com a operação do Espírito Santo seja completa na vida do homem, faz com o alimento espiritual fortaleça a vida do homem, enfim, sacia toda a necessidade da alma e gera VIDA ETERNA.

O coração que está disposto a ouvir a voz do Bom Pastor, ouvir a voz do Espírito Santo de Deus falando à sua igreja.


C
ONCLUSÃO à O coração em nossas vidas funciona como uma porta. Quando abrimos para que o mundo entre em nossas vidas, estamos perdendo vida. Mas quando aceitamos o conselho do Espírito Santo e abrimos para que Jesus, aquele que bate sem cessar, entre em nossas vidas, funciona como a porta da graça, pois alcançamos favor de Deus e VIDA EM ABUNDÂNCIA. ( eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. João 10:10b)

Wallace Oliveira Cruz

Leia Mais ››

BLOGS E SITES PARCEIROS