O Irmão do Filho Pródigo

00:00 0 Comments A+ a-


Lucas 15: 25


          INTRODUÇÃO

            Quando o Senhor Jesus contou a parábola do Filho Pródigo, procurou mostrar a todos a misericórdia de Deus e o seu desejo em perdoar aquele que estivesse distante da casa do Pai, recebendo-o como filho em seguida.
            Mas Jesus também fez referência ao segundo filho, aquele que permaneceu na casa do pai, servindo cada dia aparentemente com fidelidade. Este filho, apesar de estar junto do seu pai, tinha problemas em sua vida, que se manifestaram com o retorno do seu irmão que se havia perdido.

            DESENVOLVIMENTO

·        O filho mais velho estava no campo... - Ele havia ficado na fazenda do seu pai, e lá permanecido todo o tempo. Este filho representa aqueles que estão na igreja todos os dias, participando de suas atividades, orando, jejuando, etc., mas fazendo estas coisas como que por obrigação, como uma rotina e não de coração puro.

·        Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado... mas ele se indignou... - Ao saber da festa preparada para o filho mais novo, ao ver a alegria e a atenção que todos deram ao recém-chegado, o filho mais velho se revoltou contra seu pai, e se encheu de ciúmes e indignação, e não quis entrar em casa e participar da festa. Ele não entendeu a atitude de seu pai e de todos na fazenda com a volta do filho pródigo, e isso mostra que ele não sentia nenhum amor pelo seu irmão; ele era indiferente com relação à sua salvação.
Há pessoas na igreja que, apesar de estarem presentes nos trabalhos que são realizados, não têm entendido o amor de Deus para com as almas perdidas, e nem a Obra que tem realizado na igreja. Esses irmãos também não têm noção de seus “direitos” espirituais, concedidos pelo Pai através do Senhor Jesus. Deus tem uma grande preocupação com a salvação do homem, e a Bíblia diz que há júbilo nos céus por um pecador que se arrepende. No entanto, muitos na igreja são insensíveis a isso e não se preocupam com aqueles que precisam de salvação, não evangelizam e nem convidam seus amigos para participarem dos cultos na igreja.

·        Te sirvo a tantos anos... e nunca me deste um cabrito... - Ao reclamou do pai por nunca lhe haver tratado daquela forma, ele deixou de reconhecer a morte e sacrifício de Jesus em seu favor também - o bezerro cevado. Ele expôs a sua justiça própria quando reclamou de seu serviço contínuo na fazenda, e deixou claro que o desejo do seu coração era estar se banqueteando com seus amigos lá de fora, não na fazenda de seu pai.

·        Filho, tu sempre estás comigo e todas as minhas coisas são tuas... - O Pai enviou o Senhor Jesus, que deu sua vida por nós, para que fôssemos recebidos como filhos e tomássemos posse de todo as as coisas que Ele preparou para nós, pela fé no seu Nome. O apóstolo João escreveu: “Estas coisas vos escrevi para que saibais que tendes a vida eterna...” - I Jo 5: 13. Ter a vida eterna é viver tudo aquilo que Jesus conquistou na cruz - segurança, vitória, preservação, livramento, saúde, felicidade e salvação.

            CONCLUSÃO


            Estar em comunhão com Deus não significa estar na igreja simplesmente, mas é pensar como o Senhor pensa, agir como Ele age e sentir o que o Senhor sente. Aquilo que mais alegra o coração do nosso Pai Celeste é quando alguém se arrepende e alcança a salvação - Jo 15: 7.

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).