Ó Deus, tu és o meu Deus forte...

00:00 0 Comments A+ a-


Salmos 63:1

“Ó Deus, tu és o meu Deus Forte; eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água”.

INTRODUÇÃO


Uma das coisas maravilhosas que percebemos quando lemos os Salmos de Davi, é o fato de que aquilo que ele escreve não foi o resultado de algo que ele filosofou, imaginou ou viu acontecer com outras pessoas, mas tudo era o resultado das suas próprias experiências e das necessidades de sua alma diante do Senhor.
É impressionante sabermos que naquele tempo Davi não tinha uma Igreja ou a Bíblia como nós temos hoje, para facilitar sua comunhão com o Senhor e a satisfação de suas necessidades espirituais. Mas ele tinha que buscar sozinho as suas próprias experiências e alimentar sua vida espiritual e mantê-la, pois isso era importantíssimo para ele.
O que Davi expressa neste versículo é o fato de o Senhor ser o seu Deus Forte, aquele que supre a necessidade do seu espírito, de sua alma e do seu corpo, mantendo-o vivo – o mesmo que Jesus faz por nós hoje, preparando-nos para a vida eterna.

DESENVOLVIMENTO


·        Ó Deus, tu és o meu Deus Forte... - As lutas de Davi eram gigantescas e suas aflições também; por isso ele precisava a cada instante da presença do Senhor na sua vida para lhe dar vitórias contra seus inimigos. Para que isso acontecesse Davi fazia do Senhor o seu “Deus Forte”. Certa vez, quando Davi retornou com seus homens a Siclague, encontrou a cidade incendiada e as mulheres e crianças haviam desaparecido. Diante daquele quadro os homens levantaram a voz e choraram e depois apanharam pedras para apedrejar a Davi, julgando que ele era o culpado por tudo aquilo. Naquele momento Davi buscou forças no Senhor seu Deus e, pedindo o éfode, consultou ao Senhor que o fortaleceu e concedeu livramento e vitória.

·        Eu te busco ansiosamente... – A ansiedade de Davi era sentida no seu espírito, pois a presença do Senhor em sua vida era vital. Ele não se descuidava dessa necessidade e era sensível ao Espírito de Deus. Quando ele se sentia distante do Senhor, logo tratava de buscá-lo para restaurar sua comunhão com Ele.

·        A minha alma tem sede de ti... – A vida da alma de Davi era o Senhor. Sua alma sentia sede da presença do Espírito Santo. Davi tinha a sensação permanente de que o Senhor precisava estar ao seu lado, transmitindo-lhe o refrigério e a vida, diante dos grandes embates da sua vida. Sem a presença do Senhor sua alma se inquietava e não achava paz.

·        Meu corpo te almeja, como uma terra árida, exausta, sem água -  A sensibilidade de Davi ao Espírito do Senhor era tão profunda, que não somente o seu espírito e a sua alma sentiam necessidade da presença do Senhor, mas o seu corpo também. Em muitas ocasiões ele mencionou isso, pois a sua vida física e a sua saúde eram sustentadas pelo seu Deus Forte.

CONCLUSÃO


Tudo que Deus era para Davi naquele tempo, o Senhor Jesus é para sua Igreja hoje em dia. Ele é o nosso “Deus Forte”, aquele que nos fortalece nas nossas fraquezas e nos dá vitória nas nossas lutas e provações. O apóstolo Paulo ouviu o Senhor lhe dizer que o “Seu poder se aperfeiçoava nas suas fraquezas”, e isso tem acontecido conosco também.
A Igreja fiel sente a necessidade de buscar ao Senhor Jesus e viver em comunhão com Ele, pois isso é imprescindível para ela. As ansiedades que Igreja sente só são plenamente satisfeitas através da comunhão com o Espírito do Senhor Jesus, pois toda a sua necessidade é puramente espiritual.
A Igreja fiel tem sede do Deus Vivo. Essa sede aponta para a necessidade de nossos pensamentos e sentimentos estarem guardados pelo Senhor Jesus, trazendo paz ao nosso coração – Filipenses 4: 7.
O Senhor Jesus é o nosso Deus Forte porque só Ele é a razão do nosso viver. Toda a nossa esperança e expectativa estão voltadas para o Senhor Jesus, que tem sustentado nosso espírito, alma e corpo para o dia do arrebatamento – I Tessalonicenses 5: 23.


AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).