"Não devemos desvalorizar o reino"

00:00 0 Comments A+ a-




INTRODUÇÃO

·     Jeosafá - rei que fez a vontade do Senhor
·     Jeorão - filho de Jeosafá, da linhagem de Davi
·     Recebeu do pai um reino estruturado, além de muitas bênçãos e riquezas
·     Jeosafá teve muitos filhos, mas Jeorão foi abençoado com o reino, pois era o primogênito
·     Jeorão se casou com a filha de Acabe e Jezabel

DESENVOLVIMENTO

·     Jeorão - tipo do servo infiel
·     Recebe um reino estruturado - o homem, quando passa a fazer parte desta obra, alcança o entendimento de eternidade, não empobrecido como na religião, mas rico de bênçãos e sinais.
·     Dentre tantas pessoas que estão neste mundo, o Senhor o escolheu para viver uma obra de vitórias, na linhagem do Senhor Jesus, no seu projeto de vida eterna
·     Os erros de Jeorão:
·     Casou com a filha de Acabe e Jezabel - aliança com o pecado e a carne
·     Promoveu a idolatria - pecado da desobediência
·     Não honrou o pai - desonra ao Senhor
·     Queria permanecer no reino, e até lutou por isso, mas não abria mão da idolatria e do pecado - o servo infiel quer a eternidade, mas não abre mão das coisas deste mundo
·     Matou seus irmãos - falta de comunhão
·     Os números na vida de Jeorão:
·      32 anos (idade em que começou a reinar) - Ministério incompleto. Aos 32 anos, o ministério de Jesus ainda não estava completo. Jesus histórico.
·      8 anos (duração do reinado) - período da graça. O reino nos é dado pela graça e muitos desprezam esta bênção. A graça esteve sobre Jeorão, mas ele não aproveitou a bênção. No período da graça, Deus nos tem chamado para sermos “reis e sacerdotes”.
·      6 anos de reinado (quando ele foi acometido da enfermidade) - quando o servo infiel não dá mais lugar ao Espírito e o HOMEM reina absoluto na sua vida, ele é contaminado por uma enfermidade que poderá levá-lo à morte.
·      2 anos (período da enfermidade) - por dois anos Jeorão teve a oportunidade de se arrepender, mas não o fez e morreu. A comunhão da igreja e com o Senhor podem reverter o quadro do servo infiel, mas muitos também rejeitam esta oportunidade. (I João 1:7)
·      40 anos (tempo total de vida) - não venceu a prova.
·      “Foi-se sem deixar saudades”
·      Sem registros
·      Tudo o que fazemos para o Senhor, são marcas que ficam, são registros que permanecem no meio da igreja e há um “memorial n céu” acerca destas coisas
·      O servo infiel morre para o Senhor e é como a “moinha que o vento espalha” e não se lembra mais dele.
·      “Sepultado na cidade de Davi” - o servo infiel morre, mesmo estando em um lugar onde só há vida eterna. Está numa obra de eternidade, mas morre pelos seus próprios erros.
·      Mas não nos sepulcros dos reis - Há duas formas do homem deixar esta obra:
Ä Quando parte para o Pai, como servo fiel - é enterrado nos sepulcros dos reis
Ä Quando morre no mundo, no pecado - não há para ele salvação e nem será contado com os santos
·     Todas as mulheres e filhos de Jeorão foram capturados e morreram, apenas escapou Jeoacaz, seu filho, pois o Senhor iria cumprir a promessa feita a Davi de preservar o reino em sua família.
·     O homem passa, mas o Reino e o Projeto são eternos.

CONCLUSÃO


          O Senhor tem nos dado uma grande herança: a vida eterna. Não podemos ser infiéis e desvalorizar esta bênção, pois esta atitude nos levaria à morte espirutual.

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).