Já achei resgate

00:00 0 Comments A+ a-


Jó 33: 24 – 28

INTRODUÇÃO


Uma das coisas mais terríveis e traumatizantes para uma pessoa, é cair nas mãos de seqüestradores. Quando alguém se vê à mercê de homens perversos, que são capazes de tudo para alcançar seus objetivos, sua vida passa a correr sérios riscos.
O seqüestrador não tem misericórdia nem amor. Ele é capaz de matar sua vítima inocente sem piedade, caso o seu resgate não seja pago. Por isso os familiares de uma pessoa raptada, são capazes dos maiores sacrifícios para ver seu ente querido são e salvo. Após o pagamento do resgate e a libertação do cativo, a alegria da família é contagiante, e todas as medidas para que o fato não se repita, geralmente são adotadas de imediato.

DESENVOLVIMENTO

O homem um dia viveu na presença de Deus, em comunhão com Ele, como em família. O Senhor cuidava do homem com todo amor, e cada tarde vinha visitá-lo e ver como estava. Mas o homem não cuidou de sua própria vida e não atentou para a Palavra de Deus, por isso caiu nas mãos do adversário, que o seqüestrou e o levou para longe da presença do Pai. A partir daí o homem tornou-se cativo e escravo do pecado.

O preço exigido pelo inimigo para o resgate e libertação do homem era altíssimo, e homem algum poderia pagá-lo, ainda que reunisse todas as riquezas e tesouros do mundo. Esse resgate não poderia ser pago através da religião, nem pela justiça ou bondade humanas. O homem não o conseguiria por sacrifício ou esforço próprio; enfim, não havia como sair desta situação terrível. Só havia a perspectiva de morte pela frente.

Mas Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Deus empreendeu um grande esforço e enviou seu Filho, que se tornou homem e entregou sua vida como preço pelo resgate de toda a humanidade, morrendo na cruz e cumprindo a Obra de libertação. O sacrifício de Jesus foi o preço do resgate em favor de todo o mundo, de modo que o adversário não tem mais o poder nem a posse daqueles que crêem no Senhor Jesus. O pecado não tem mais como dominar aqueles que foram lavados pelo sangue de Jesus.

Por isso Deus teve misericórdia, e não permitiu que descêssemos à cova (morte), pois Ele já achou resgate para nossa salvação: O sangue do Seu Filho Amado. Pela fé no nome de Jesus temos nova vida, somos novas criaturas, como aquele que rejuvenesceu na sua carne e voltou à sua infância e aos dias da sua juventude.

O sacrifício de Jesus trouxe o homem de volta à comunhão com Deus. Através do resgate pelo seu sangue, somos aceitos como filhos  e nossas orações são ouvidas pelo Senhor, que se agrada de nós pela fé que há em nossos corações, e por causa da Obra que Jesus realizou por nós. Ele também nos restituirá a justiça perdida, a qual foi recuperada através do resgate pago na cruz do Calvário.

CONCLUSÃO

O homem precisa reconhecer seus pecados e confessá-los ao Senhor cada dia, sem deixar de perceber que, em toda a sua vida, o pecado não lhe proporcionou fruto algum, a não ser a morte. Desta forma deve decidir não se submeter a ele nunca mais, considerando a misericórdia do Senhor, a sua Salvação e o seu grande amor em enviar seu Filho para pagar o nosso resgate para nos livrar da morte e da condenação.


Nossa esperança hoje é que em breve seremos trasladados para a eternidade, para o lugar da nossa habitação com o Senhor, onde enfim veremos a Luz, que é o Senhor Jesus, o Autor da nossa salvação e Aquele que pagou o alto preço pelo nosso resgate.

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).