PROCLAMANDO A VOLTA DO SENHOR JESUS!




"E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida” -Apocalipse 22:17



domingo, 15 de janeiro de 2017

Eliseu faz flutuar o machado


II Reis 6: 1 - 7


            INTRODUÇÃO

            Os filhos dos profetas moravam num lugar estreito e necessitavam de um lugar mais amplo e confortável. Quando o profeta Eliseu os visitou, eles sugeriram irem ao Jordão para dali cortarem madeira para a construção de uma habitação maior. Eliseu os autorizou a isso e, ao ser solicitado, se dispôs a ir com eles para supervisionar todo o trabalho.
            Eliseu tipifica o Senhor Jesus, e Ele também deseja ver a igreja crescendo com a salvação de novas pessoas e o aperfeiçoamento dos seus servos.

            DESENVOLVIMENTO
           
            Os filhos dos profetas representam os obreiros; aqueles que foram gerados pela Palavra Profética, os quais precisam ter uma visão de crescimento e desenvolvimento de sua habitação. Esta habitação refere-se à igreja onde estão servindo ao Senhor, ao seu Grupo de Assistência e à Obra na sua área de uma forma geral. O obreiro fiel é aquele que sempre está preocupado e trabalhando pela “ampliação” de sua igreja através do crescimento do seu Grupo, e não se acomodando com a situação de esterilidade em que se encontra. Ele deve ter a iniciativa de buscar resultados positivos no seu trabalho dentro do Projeto do Senhor, pois é isso que o Senhor espera dele. O obreiro acomodado acha normal a falta de crescimento do seu grupo e de sua igreja, ele mesmo apresenta desculpas para isso: O povo do bairro é difícil, os irmãos não têm dinheiro para irem à igreja, etc. Às vezes ele mora em um bairro onde não existe igreja da Obra e ele nem se dispõe a buscar o Senhor para que inicie uma igreja onde reside. Mas quando o obreiro se preocupa com o “lugar estreito” em que está habitando e começa a se movimentar para mudar sua realidade, ele vai perceber que sua iniciativa tem a aprovação imediata do Senhor. Foi isso que aconteceu com os filhos dos profetas.

Depois eles convidaram Eliseu para os acompanhar até o Rio Jordão para dali apanhar madeira para a construção. O obreiro precisa entender também que não pode realizar a Obra sozinho. Ele precisa da direção e da presença do Senhor para orienta-lo naquilo que vai fazer.

            Todos vão ao Jordão e começam a cortar árvores - a obra só cresce com a salvação de vidas – o corte da madeira, a evangelização, o testemunho, o convite, a assistência, tudo isso faz parte do processo de “cortar a madeira". O trabalho de evangelização é feito lançando-se o homem por terra e trazendo-o para a igreja. As pessoas resistem ao convite - a árvore não cai sozinha - elas precisam ser convencidas pelo Espírito Santo, que está conosco, e levadas à igreja para que se convertam.

            Para realizar aquele trabalho, os filhos dos profetas usavam o machado. Ele precisava estar bem amolado e bem ajustado ao cabo de madeira, e o trabalhador precisava ter habilidade no seu uso para não machucar ninguém que estivesse por perto.

            O ferro do machado tipifica a Revelação, aquilo que é do Senhor e do seu Espírito na vida do servo, pois é a parte de ferro quem vai realmente realizar a Obra de abate das árvores. O ferro é durável e resistente, precisa estar bem afiado, ser usado com dinamismo e com cuidado, pois é emprestado.

            O cabo de madeira representa o homem que Deus usa na Obra. A madeira não é tão durável quanto o ferro, mas precisa ser resistente para suportar o esforço do trabalho - experiência e maturidade do servo. Precisa também estar bem ajustada ao ferro e ter um comprimento compatível - equilíbrio - para que o ferro não se solte e cause algum acidente.

            Se o servo não estiver bem ajustado àquilo que é do Senhor ou usar de forma errada aquilo que recebeu, ele pode causar prejuízos para as pessoas ao seu redor ou para a própria Obra, nesse caso o servo perde a bênção e a instrumentalidade, pois o Senhor atua para preservar aquilo que lhe pertence - a queda do ferro na água.

            CONCLUSÃO

            Quando isso acontece, não adianta ficar lamentando o erro simplesmente, ou colocando a culpa nos outros. É preciso que haja o reconhecimento da própria falha - mostrar onde o ferro caiu - para se recuperar a comunhão e a bênção do Senhor.

            Eliseu providenciou um novo cabo e fez o machado flutuar, e em seguida ordenou que o levantasse novamente e o tomasse na mão. O servo precisa aprender com os próprios erros, para que não venha a repeti-los novamente, ele precisa ser um novo homem, mais zeloso, mais prudente, mais sábio, com uma outra mentalidade, para que possa ser levantado e usado novamente na realização da Obra do Espírito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).

SOCIAL MEDIA


Wallace Oliveira Cruz

MARCADORES