Vencendo a dependência emocional

00:00 0 Comments A+ a-


A entrada do pecado no mundo deturpou por completo o caráter, a mente e a vontade do homem. No momento em que o homem se afastou de Deus, todos os problemas da humanidade tiveram origem. Portanto, todos nós estamos vulneráveis a problemas emocionais, por menores que sejam! Todos nós carregamos marcas e feridas em nossas almas que refletem no nosso eu.
Muitos de nós estamos presos à dependência emocional, que consiste em um estado no qual a pessoa se sente completamente subordinada(o) a outra pessoa sem a qual pensamos não conseguir nos sentir seguros. Essa prisão causa angústia, depressão e solidão. O dependente emocional acredita que precisa da atenção e presença constante de outra pessoa para se sentir bem. Esse é um dos motivos que fazem com que esse mal seja um grave entrave nos relacionamentos.
Normalmente a dependência emocional provém do sentimento de rejeição. Ao não se sentir amada a pessoa passa a viver a vontade do outro na tentativa de agradar e de se sentir aceita. Essa dependência é sempre acompanhada de uma carência excessiva, e faz com que a pessoa se mostre fraca e fragilizada. Dificilmente uma relação verdadeira suporta isso por muito tempo.
A carência faz com que as pessoas sejam menos seletivas e acabam se tornando presa fácil para fazer uma escolha errada, pois acabam se envolvendo com pessoas muito distantes daquilo que gostariam de ter ao seu lado. E por medo da solidão, torna-se escrava da ilusão de que estar com alguém a salvará da sua carência, não consegue enxergar que continua vazia de afeto.
Há uma cultura muito cruel implantada em nossa sociedade que praticamente exige que estejamos em um relacionamento, seja namorando ou casados, como se isso fosse a garantia de felicidade emocional, mas não é!
Se você passa por isso, precisa buscar no Senhor saber quais são os motivos que o levam a envolver-se em tamanha insegurança, e assim buscar cura nessa área da sua vida. O processo para alcançarmos o que Deus tem para nós, e alcançarmos a verdadeira libertação nem sempre é fácil, nem sempre nosso caminho será lindo, muitos são os espinhos que teremos que pisar, mas não devemos desistir.
Nessa busca seremos aperfeiçoados, libertos e restaurados para realizarmos os planos de Deus. Mas quando falamos de restauração, de liberdade, de cura, falamos de dor. Sentimentos internos e mal resolvidos podem deteriorar a alma e o coração. Somente o verdadeiro amor que vem de Deus pode trazer a verdadeira libertação.
O Senhor quer nos ensinar a administrar nossas emoções, mas temos que estar dispostos a renunciar nossos desejos e colocar o nosso coração e nossa vida à disposição do Pai, aprender a viver na dependência Dele e não depender emocionalmente das pessoas, isso é ser verdadeiramente livre! Assim adquiriremos novos conceitos que procedem do coração de Deus!
Que Deus te abençoe ricamente!
PS: Deixe seu comentário…ele é super importante pra nós!!!


AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).