E outra geração se levantou, que não conhecia o Senhor...

00:00 0 Comments A+ a-


Juízes 2: 7-10 e 6: 11-13


INTRODUÇÃO

A Palavra do Senhor diz em Êxodo 33:11 – “Falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala a seu amigo; então, voltava Moisés para o arraial, porém o moço Josué, seu servidor, filho de Num, não se apartava da tenda”.

Isso significa que Josué era um jovem que sempre estava ouvindo os segredos que o Senhor falava a Moisés. Ele sempre estava tomando conhecimento da Palavra do Senhor, das revelações e orientações que Ele dava ao seu povo. Foi assim que Josué cresceu, e mais tarde o Senhor o confirmou como sucessor de Moisés no comando do povo de Israel e na conquista de Canaã.

DESENVOLVIMENTO

Josué foi fiel ao Senhor todos os dias da sua vida, juntamente com toda a sua casa, mas a Palavra diz que, após a sua morte, outra geração após ele se levantou, que não conhecia o Senhor, nem tampouco a obra que fizera a Israel. Então, fizeram os filhos de Israel o que parecia mal aos olhos do Senhor; e serviram aos baalins.

O que aconteceu após a morte de Josué, foi que uma geração inteira falhou na transmissão da herança espiritual aos seus filhos. Uma geração inteira esteve tão envolvida com as lutas e batalhas, que não se preocupou em transmitir os ensinamentos a respeito do Senhor e das suas obras que fizera em Israel, apesar do Senhor haver dito: “Tão-somente guarda-te a ti mesmo e guarda bem a tua alma, que te não esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e se não apartem do teu coração todos os dias da tua vida, e as farás saber a teus filhos e aos filhos de teus filhos” – Deut 4: 9.

As conseqüências dessa negligência dos pais em transmitir suas experiências, foram muito drásticas para os seus filhos, pois mais tarde eles passaram a fazer alianças com os povos estranhos que habitavam ao seu redor, e deixaram o Senhor, o Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses e encurvaram-se a eles, e provocaram a ira do Senhor e serviram a Baal e a Astarote. Por isso o Senhor se indignou contra eles e os deu nas mãos dos roubadores, e os entregou nas mãos dos seus inimigos ao redor; e não puderam mais estar de pé diante dos seus inimigos.

Mais tarde, em meio às opressões impostas pelos midianitas, um dos poucos jovens que teve a felicidade de conhecer ao Senhor, estava malhando o trigo do seu pai no lagar, quando o anjo do Senhor lhe falou: “O Senhor é contigo, varão valoroso”. Então Gideão respondeu: “Ai, senhor meu! Se o Senhor é conosco, por que nos sobreveio tudo isto? E que é feito de todas as suas maravilhas que nossos pais nos contaram, dizendo: Não nos fez o Senhor subir do Egito? Porém, agora, o Senhor nos desamparou e nos entregou nas mãos dos midianitas”. Ali estava um moço que conhecia o Senhor e que havia recebido uma herança espiritual de seus pais. O Senhor o chamou de varão valoroso, pois ele era alguém que o conhecia e não havia se encurvado diante dos deuses cananeus. Agora o Senhor iria usa-lo como juiz, para libertar o seu povo da opressão dos midianitas.

CONCLUSÃO

Esses fatos e essas duras experiências na vida do povo de Israel, devem servir de advertência a todos nós hoje em dia. O mundo de hoje é talvez mais perigoso do que o mundo de outrora. Os recursos do inimigo se ampliaram com o desenvolvimento do seu sistema mundano, de modo que o perigo que nos ronda é muito grande. Aquilo que é veiculado na televisão, nos programas infantis, nas escolas, nas revistas e nas rodas de amigos de colégio, é altamente danoso e prejudicial à vida espiritual dos nossos filhos. A recomendação do Senhor, feita ao povo de Israel em Deuteronômio 6: 5-9 – “Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas” – continua imperativa nos dias de hoje.


É uma questão de segurança para a vida espiritual dos nossos filhos e para a sua salvação, a transmissão de tudo que temos experimentado e aprendido na Obra do Senhor. Eles precisam ser avisados e prevenidos dos perigos deste mundo. Precisam conhecer a Palavra e o Deus da Palavra. Muitos já nasceram em lares firmados na Obra do Senhor, mas precisam tomar conhecimento daquilo que o Senhor operou nas nossas vidas; de como ele nos libertou deste mundo e nos trouxe para a sua presença. Nós não podemos nos enganar, achando que, pelo fato de eles haverem nascido em lares evangélicos, estão seguros e naturalmente irão herdar a bênção. Não, eles precisam ouvir a respeito da Palavra e dos feitos do Senhor, pois mais tarde, se as lutas surgirem, eles permanecerão firmes como Gideão, malhando o trigo no lagar.

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).