... E as revelaste aos pequeninos

00:00 0 Comments A+ a-


Lucas 10: 21

INTRODUÇÃO

A Palavra de Deus é a revelação geral e fundamental de sua vontade e do seu projeto para a salvação do homem, no entanto, isso não quer dizer que ela é autoelucidativa, isto é, não basta lê-la para entender todas as revelações que o Espírito Santo imprimiu nela. O apóstolo Paulo escreveu: “A letra mata, mas o Espírito vivifica”- II Co 3: 6. O próprio Senhor Jesus disse: “Ainda tenho muito que vos dizer, mas não podeis suportar agora. Mas quando vier o Espírito da Verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará tudo o que há de vir” - Jo 16: 12, 13.

DESENVOLVIMENTO

Com estas palavras, o Senhor Jesus quis dizer que aquilo que Ele ensinou no seu ministério era a base e o fundamento da Obra de Deus, e que o Espírito Santo seria enviado para continuar a “construção” da Obra, revelando as  doutrinas à igreja que nasceria no dia de Pentecostes. Na verdade depois que o Espírito foi enviado, Ele conduziu a igreja a viver a base da Palavra e aos poucos foi revelando e estabelecendo a doutrina completa, a qual ficou patente através das epístolas que o apóstolo Paulo e outros apóstolos escreveram às igrejas.

Hoje em dia nós temos a Bíblia completa e inspirada pelo Espírito Santo, mas para conhecer e entender o seu conteúdo profético e doutrinário, não podemos nos valer da nossa capacidade de interpretar textos, ou de nossa inteligência e poder de observação. Se usarmos esses métodos para entender a Bíblia, cada um de nós terá um entendimento diferente dela, e é dessa forma que surgem as religiões que há no mundo hoje; elas são o produto da interpretação da Bíblia segundo a razão humana.

Foi por isso que o apóstolo Pedro advertiu que “a Escritura não é de particular interpretação”, e que nós precisamos da luz, isto é, da revelação do próprio “Autor” da Bíblia - o Espírito Santo - para alcançarmos o entendimento correto e verdadeiro da Palavra. Somente Ele pode nos fazer enxergar os segredos gloriosos e profundos da doutrina salvadora.

Outro detalhe importante que precisamos admitir em relação à Obra do Espírito, é que ela começou no dia de Pentecostes e só findará no dia do arrebatamento da igreja. Isto quer dizer que a Obra ainda não acabou, e que não está completa ainda. Deus ainda não realizou e também não revelou tudo que tem para revelar ao seu povo. A Obra que o Senhor tem realizado é uma Obra dinâmica, que vai se aperfeiçoando cada vez mais, por intermédio da revelação e somente os que crêem estão percebendo e vivendo isso.

A Obra que o Senhor tem nos revelado hoje, não é constituída de doutrinas “novas” ou estranhas à sua Palavra, mas de doutrinas que estavam encobertas aos olhos dos que usam o “véu da religião”, e que por essa razão não as percebem e nem entendem. O clamor pelo Sangue de Jesus, a consulta à Palavra, a doutrina de Corpo e tantas outras, não são “novidades” criadas por nós, mas são doutrinas bíblicas que foram reveladas pelo Espírito Santo depois que foram vividas e experimentadas por um povo que buscou a face do Senhor em santificação e obediência.

Algumas pessoas têm se escandalizado hoje, como aconteceu nos dias de Jesus, com as doutrinas que o Espírito Santo tem revelado no meio do seu povo. Depois que o Senhor começou a conduzir a igreja à experiência do Culto Profético, este problema se agravou. Alguns perguntam: “Onde é que está escrito isso na Palavra?” e “Porque a igreja primitiva não viveu essa experiência?”. Essas são perguntas que aqueles que são “sábios e entendidos” aos seus próprios olhos têm feito hoje. Pessoas céticas assim, que só crêem no que vêem, não têm parte na Obra do Senhor, pois a Obra é para os “simples”, para os “pequeninos”, que são humildes de coração e que confiam no Senhor. A Obra é para os que dependem do Senhor, que não olham para si mesmos, mas que se colocam na posição de necessitados da misericórdia do Senhor.
As revelações, segundo o que foi definido pelo próprio Pai, são para um povo que crê na operação do Espírito Santo, e que se sujeita às suas orientações sem argumentar ou pedir explicações. Se cremos sinceramente no Espírito e nos colocarmos em suas mãos, Ele não deixará que sejamos confundidos ou envergonhados, mas certamente nos guiará em toda verdade.

CONCLUSÃO

A Obra tem prosseguido, apesar de todas as lutas, e o Espírito continua operando para preparar um povo e conduzi-lo a uma forma de vida de total dependência dele. Para isso Ele tem aperfeiçoado a doutrina bíblica revelado-a cada vez mais profundamente ao seu povo.
Enquanto isso acontece, o próprio Espírito vai também julgando aqueles que são “sábios” aos seus próprios olhos, afastando-os no meio do seu povo, para que os “pequeninos” cresçam cada vez mais na fé e no conhecimento do Senhor Jesus e se preparem para o momento glorioso do arrebatamento.           

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).