PROCLAMANDO A VOLTA DO SENHOR JESUS!




"E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida” -Apocalipse 22:17



sábado, 19 de novembro de 2016

A Vara de Arão floresce


Números 17: 1 – 11

Introdução 

No Salmo 23, a Palavra fala da vara e do cajado como objetos de consolo para o rebanho. O Sacerdote é figura do pastor, no sentido da intercessão em favor das pessoas necessitadas.

O texto acima não fala da vara e do cajado no sentido usado por Davi no Salmo. Arão não tinha uma vara visível, como símbolo do seu sacerdócio, para que as pessoas pudessem ver e perceber a sua autoridade. Deus não quer que seus sacerdotes usem esse tipo de coisas. O sacerdócio e a unção não são visíveis aos olhos humanos, pois a unção é espiritual.

Desenvolvimento 

Coré, Datã e Abirão – por não terem nada visível para enxergar – colocaram em dúvida e se rebelaram contra a autoridade de Moisés e Arão. Eles queriam ser sacerdotes também, requerendo para si o direito de sacrificar pelo povo, interceder por ele a Deus e opinar nas questões de governo e nas decisões tomadas.

Por causa disto, o Senhor então ordenou que se colocassem as varas dos príncipes de cada tribo de Israel diante da arca do testemunho, pois Ele iria mostrar quem era o servo escolhido para exercer a sua autoridade diante do seu povo.

As varas foram colocadas no interior da tenda, e no dia seguinte, a vara de Arão havia florescido. Depois o Senhor ordenou que se mostrassem aquelas varas a todos, para que todos vissem quem Ele havia escolhido, e a partir daí ninguém falasse mais nada. O assunto foi encerrado e a partir daí não havia mais dúvidas.

A vara florescida fala de um ministério dado pelo Espírito Santo, por revelação e através de um milagre. Um ministério renascido, renovado, que tenha a unção (óleo de amêndoa), os frutos e a manifestação do Espírito (flores = dons), este é o ministério que o Senhor tem para dar, e ele não consiste de coisas aparentes, mas da manifestação da vida de Jesus no servo, através da realização da Obra, da santificação, da obediência, do serviço de apascentar o rebanho com mansidão e zelo, no amor para com as ovelhas, e em tudo que há no Senhor Jesus. 

Conclusão 


O pastor vingativo, ríspido e negligente, não é reconhecido. Seu ministério deixa dúvidas e dá margem às rebeliões no meio do povo de Deus. A igreja precisa ver no nosso ministério o florescer constante do Espírito Santo, pois isso confirmará a nossa escolha para servir no santuário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).

SOCIAL MEDIA


Wallace Oliveira Cruz

MARCADORES