A Parábola dos dois Filhos

01:00 0 Comments A+ a-


Mateus 21: 28-30

INTRODUÇÃO

Ao entrar em Jerusalém, e depois da purificação do Templo, Jesus enfrentou a resistência dos sacerdotes e fariseus, que o interrogaram acerca de sua autoridade para fazer aquilo. O Senhor lhes contou a parábola dos dois filhos, forçando-os a julgarem-se a si mesmos. Os religiosos de Jerusalém se julgavam guardiões da Verdade e responsáveis pela Obra de Deus na terra, mas diante daquilo que ouviram do Senhor Jesus emudeceram, pois perceberam, repentinamente, a realidade em que se encontrava sua vidas.

DESENVOLVIMENTO

 Um homem tinha dois filhos ... - O Senhor Jesus sempre usa o recurso da comparação de duas pessoas ou coisas ou dois grupos de coisas, para mostrar aquilo que é a Obra de Deus e aquilo que é a obra do homem. Ele revela isso através de Marta e Maria, do fariseu e do publicano, da casa edificada na rocha e da casa edificada na areia, das virgens prudentes e das virgens loucas, etc. Podemos perceber que nos exemplos citados pelo Senhor Jesus, as duas partes envolvidas receberam condições iguais e oportunidades iguais, mas suas reações foram diferentes.
 Outro ponto a ser observado é o fato de Deus considerar como filhos, a todos os que foram gerados de novo pelo Espírito Santo, para fazerem parte de sua natureza e assumirem uma responsabilidade na sua Obra.

E dirigindo-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na minha vinha ... - A vinha era um tipo de cultura muito comum e conhecida em Israel. O objetivo principal da plantação de uvas era a fabricação do vinho, e esta atividade era passada de pai para filho por muitas gerações. Muitas famílias tiravam o seu sustento desta atividade.

Por causa de tudo isso a vinha era uma herdade que não podia ser vendida nem trocada por coisa alguma, e além de tudo, ela era uma propriedade de toda a família; o pai era o administrador, o responsável direto, e os filhos eram como servos que trabalhavam na plantação de uvas e na fabricação do vinho. Este trabalho era diário, e os filhos precisavam estar conscientes e envolvidos nele. Por isso o pai disse ao seu filho: “Filho, vai hoje trabalhar ...”
A vinha não poderia ser esquecida um dia sequer, pois isso poderia trazer prejuízos para ela e para seu dono e sua família.

A vinha representa a Obra do Senhor, ela é a herança que o Senhor nos legou ao morrer na cruz. Ela é sua propriedade direta, mas nós somos os filhos que foram convidados a trabalhar nela, e sermos os responsáveis pela sua manutenção. Se formos zelosos para com a Obra do Senhor, a bênção do Espírito (vinho), será o fruto do nosso trabalho. 

Ele, porém, respondendo, disse: Não quero. Mas, depois, arrependendo-se, foi – O primeiro filho respondeu ao seu pai, manifestando o desejo do seu coração de não trabalhar na vinha. Mas depois, começou a refletir sobre aquilo que a vinha representava na sua vida:
·       Ela era a herança que seu pai deixaria para ele quando partisse;
·       Ela era o sustento de sua família;
·       Um dia ele teria que passar esta mesma vinha para seus filhos e netos;
·       Se ele não cuidasse da vinha, ela poderia ser destruída pelos animais do campo, e ele e sua família passariam por grandes privações;
·       Era sua responsabilidade cuidar dela, e não havia mais ninguém para isso, pois seu irmão era negligente e preguiçoso.

Pensando em tudo isso, ele arrependeu-se e foi trabalhar na vinha do seu pai. A Obra do Senhor é assim mesmo, nós precisamos entender que ela é nossa responsabilidade, e todos os dias o Senhor nos convocado pra realizar um trabalho na sua vinha. A tendência natural do homem é rejeitar o convite do Pai para realizar a Obra, pois a natureza humana é acomodada e negligente em relação às coisas espirituais. Se for depender unicamente da “boa vontade” do homem, a Obra sofrerá prejuízos.

Mas o servo responsável e diligente, não se deixa vencer nem influenciar pelo seu coração nem por sua natureza humana. Ele coloca a Obra do Senhor em primeiro lugar, mesmo contra seus interesses, pois ele sabe que ela é a sua vida, seu sustento e o sustento de sua família. Se ele não cuidar da Obra do Senhor, terá grandes dificuldades na sua vida, pois ela é uma herança que recebemos e que precisamos passar para nossos filhos.

E, dirigindo-se ao segundo, falou-lhe de igual modo; e, respondendo ele, disse: Eu vou, senhor; e não foi – O segundo filho tentou enganar seu pai, prometendo trabalhar na vinha, mas quando o pai deu as costas, ele foi embora em busca de seus próprios interesses e prioridades. Ele não tinha o mínimo senso de responsabilidade para com a vinha - ele só queria usufruir dela - mas não trabalhar duro pela sua manutenção e prosperidade. Para ele o responsável era aquele que estava do seu lado: seu irmão.

Existem pessoas que estão no nosso meio, que só querem receber a bênção do Espírito (vinho), mas não querem compromisso com a Obra do Senhor. Quando são convocadas para o trabalho, até se animam e se comprometem com sua palavra, mas na hora de realizá-lo não aparecem, por causa de seus compromissos inadiáveis. Quando é para sair para visitar os novos convertidos, os irmãos enfermos, quando é para estar nas madrugadas intercedendo ou para cuidar da limpeza da igreja, surgem mil desculpas ...

CONCLUSÃO

 O que leva a pessoa a agir assim, é a falta de uma verdadeira experiência na Obra do Senhor; é a falta de sensibilidade à voz do Espírito Santo, e nesse caso prevalece o espírito religioso que os sacerdotes e fariseus de Israel alimentavam. Quando alguém não entende a Obra do Espírito, até se levanta contra aqueles que querem realizá-la.
Aquele que está na revelação se submete à autoridade do Senhor, de modo que quando surge a necessidade de realizar algum trabalho para o Senhor, ele logo obedece sem argumentar. Caso contrário fica só na sua palavra, e o reino de Deus não é de palavras, mas de virtude.                                                                                               
           


AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).