Quem fala mal do próprio marido ou esposa está falando mal de si mesmo*

07:41 0 Comments A+ a-



*Quem fala mal do próprio marido ou esposa está falando mal de si mesmo*

Vivemos em uma época em que as relações afetivas têm variado, e muito. No passado havia paquera, namoro, noivado e casamento. Agora, dependendo do grau do compromisso, da qualidade do vínculo, da frequência e intensidade dos encontros, as uniões assumem caráter diferente. A quantidade de modos de “ficar” atordoa quem se dispõe a entender o que isso significa.

Um princípio que sempre regeu as relações é o de que quanto maior o grau do compromisso, maior a cumplicidade e fidelidade. Contudo, temos visto, infelizmente, cônjuges que agem como se fossem meros “ficantes”. Eles costumam fazer do seu parceiro o principal assunto em conversas com seus amigos e até estranhos, mas não de modo positivo. Eles denigrem a imagem do outro em qualquer lugar, para qualquer um.

Recentemente, participei de uma reunião em que uma mulher resolveu falar mal de seu marido. Começou a descrever os modos rudes dele no trânsito, o comportamento agressivo para com ela e os filhos. Ela até encontrava justificativa para ele ser assim. Dizia que essa agressividade era fruto dos problemas que ele tivera com a mãe alcoólatra.

Aquela mulher narrava os detalhes da infância miserável do marido e, assumindo uma atitude ostensivamente superior, garantia que na família dela jamais aconteceram coisas semelhantes. Ora, e o que é o marido senão integrante da família dela?

Na mesma reunião, outras participantes acrescentaram à conversa exemplos de como as sogras haviam “estragado” os respectivos maridos. No entanto, nenhuma se deu conta de que, ao criticar e desqualificar seu parceiro, desqualificava e aniquilava a si mesma.

Isso não parece óbvio para a maioria das pessoas. Homens e mulheres criticam o comportamento do cônjuge como se não compartilhasse a vida com os mesmos. Em tempos de reality shows, perdemos a noção de discrição, de intimidade e de companheirismo. Privacidade está fora de moda. Falar mal do companheiro tem se tornado habitual.

Casais que vivem juntos completam-se e, querendo ou não, tornam-se uma só carne. Isso é inquestionável, daí ser muitas vezes impossível identificar de quem é totalmente a culpa quando a relação vai mal. Se um é ruim, é pouco provável que o outro seja melhor.

Ao longo da vida em comum, o casal se adapta para viabilizar a relação. Se uma pessoa compartilha a vida com outra, mesmo que isso seja ruim, já desenvolveu mecanismos para a manutenção do vínculo. Além do mais, os cônjuges refletem as escolhas um do outro.

É verdade que, ao menos no início, com a convivência, nossas idealizações não se sustentam. Então, descobrimos que nos casamos com alguém que foi idealizado por nós, e não com a pessoa “real”. Em outras palavras, com o passar dos anos, nossa ficha cai, e percebemos quem a pessoa é em toda sua essência. Mas, quando continuamos ao lado desse alguém, confirmamos a escolha que fizemos.

Sendo assim, seja uma pessoa discreta, reservada quanto ao seu relacionamento. Se precisar de ajuda no seu casamento, busque uma terapia de casal, um aconselhamento pastoral. É muito importante para o crescimento espiritual, emocional, físico e material do casal. Não fique denegrindo a imagem do seu cônjuge para outras pessoas. Expor os defeitos do marido é expor os nossas em dobro.

Que as palavras de nossa boca sejam sempre para o louvor do Deus amado e eterno (Leia Tg 3.9,10). Se não puder falar bem do seu cônjuge, não fale mal nunca.