Descoberta do 'Palácio de Salomão' prova história da Bíblia

21:30 0 Comments A+ a-

A veracidade do novo descobrimento foi comprovada por meio de análises de cerâmica filisteia descoberta no local. Segundo a Bíblia, filisteus viviam em Gezer, até que a cidade foi vencida pelo pai de Salomão, o rei Davi.

Os arqueólogos disseram que o complexo do palácio só poderia ter sido construído por um rei com recursos substanciais, como Salomão. (Foto: Reprodução).
Os arqueólogos disseram que o complexo do palácio só poderia ter sido construído por um rei com recursos substanciais, como Salomão. (Foto: Reprodução).

Mais uma sólida evidência foi descoberta, provando que as passagens da Bíblia foram baseadas em eventos históricos reais. Uma equipe de arqueólogos descobriu um edifício palaciano em Gezer (Israel). Os descobridores estão chamando a novidade de "Palácio de Salomão".
De acordo com os arqueólogos, o magnífico edifício foi construído a mais de 3 mil anos, no século X A.C. Embora eles não possam ainda dizer se o rei viveu no palácio, eles acreditam que provavelmente foi construído durante o reinado do rei Salomão.
A afirmação é baseada em análises de cerâmica filisteia descoberta no local. Segundo a Bíblia, filisteus viviam em Gezer, até que a cidade foi vencida pelo pai de Salomão, o rei Davi. De acordo com as escrituras, o Rei Salomão foi a força principal por trás da criação de Israel.
O co-diretor da escavação, o professor Steve Ortiz, do Museu Tandy, localizado na Southwestern Baptist Theological Seminary, em Fort Worth, Texas (EUA), disse que a estrutura era muito maior do que o tamanho de casas normais daquele tempo. Isso sugere que ele estava em casa com alguém de grande importância.
O Antigo Testamento afirma que a cidade de Gezer, que está situada em uma encruzilhada que conduz para a costa de Jerusalém, foi dada pelo Faraó do Egito como um dote à mulher de Salomão. Em seguida, Salomão reconstruiu a cidade durante o final do século X.
Os arqueólogos disseram que o complexo do palácio só poderia ter sido construído por um rei com recursos substanciais, como Salomão.
Eles também encontraram evidências de destruição dentro dos quartos do complexo, e afirmaram que poderia ser associado com a invasão de Shishak em 925 A.C, quando o faraó lançou uma invasão a Israel e Judá, outro evento descrito no Antigo Testamento.
Esta não foi a primeira descoberta arqueológica de alto perfil em Israel neste ano, que mostra evidências dos eventos escritos na Bíblia. No mês passado, uma equipe descobriu uma sinagoga em um local chamado Tel Rechesh, que está localizado perto do Monte Tabor.
A descoberta confirmou a narrativa do Novo Testamento da Bíblia sobre a pregação que Jesus Cristo fez nas sinagogas. De acordo com um arqueólogo líder: "Esta é a primeira sinagoga descoberta na parte rural da Galiléia e confirma a informação histórica que temos sobre o Novo Testamento, que diz que Jesus pregou em sinagogas em aldeias da Galiléia", disse Motti Aviam, pesquisador sênior do Instituto Kinneret de Arqueologia, citado pela CBN News.



AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).