A reedificação de Jericó

00:00 0 Comments A+ a-

A reedificação de Jericó

I Reis 16: 34 
 34 - Durante o seu reinado, Hiel, de Bet-El, Betel, reconstruiu Jericó. Lançou os alicerces à custa da vida do seu primogênito, Aviram, Abirão, e quando conseguiu estabelecer as portas da cidade, seu filho caçula Seguv, Segube, morreu, conforme fora determinado pela Palavra que o Eterno havia proferido por intermédio de Josué bin Nun, filho de Num. 

INTRODUÇÃO 

O Senhor havia falado para Josué acerca de Jericó, como ela seria tomada e como os muros iriam ser derrubados. Não se usaria a força humana, mas seria uma operação do Senhor, e assim aconteceu. Os muros caíram e nenhum israelita se feriu, de modo que houve uma grande vitória entre eles. 
DESENVOLVIMENTO 

Jericó representa o coração endurecido, ocupado com o pecado, que cria muralhas sólidas ao seu redor, na tentativa de evitar ser conquistado pelo Senhor Jesus. Mas pela operação do Espírito, essas muralhas são derrubadas e as barreiras retiradas para que o Senhor ocupe o seu lugar na vida do homem.
Josué havia alertado o povo sobre o perigo que havia em alguém tentar reedificar a cidade de Jericó (Josué 6: 26), pois um juízo de Deus viria sobre quem desobedecesse. Tempos depois, um betelita reedificou os muros, não atentando para aquilo que o Senhor havia falado, e quando a primeira pedra foi colocada seu primeiro filho morreu. Mesmo assim ele insistiu na construção daquilo que estava debaixo de uma maldição, e quando ele assentou as portas, morreu o seu último filho. 
CONCLUSÃO 


O homem que foi alcançado pela misericórdia de Deus, precisa atentar para as orientações do Senhor para sua vida. Aquilo que o Espírito Santo lançou por terra, através da sua operação maravilhosa, não pode tornar a ser edificado. Hoje o Senhor tem mostrado o perigo de alguém tentar reedificar as antigas muralhas como a religião, a razão, o prazer pelo mundo, etc. Quando ele esquece a revelação, morre o primeiro filho (primeiro amor), se ele não se arrepender, morre o filho mais novo (salvação).

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).