A carga de terra de Naamã

00:00 0 Comments A+ a-


II Reis 5: 17

17 E disse Naamã: Se não queres, dê-se a este teu servo uma carga de terra que baste para carregar duas mulas; porque nunca mais oferecerá este teu servo holocausto nem sacrifício a outros deuses, senão ao Senhor.

          INTRODUÇÃO

         
Naamã, comandante do exército do rei da Síria, era grande homem diante de seu senhor e de grande conceito, porém era leproso. Certo dia, uma menina da terra de Israel, capturada em uma das campanhas do exército da Síria, e que estava a serviço da mulher de Naamã, disse à sua senhora: “Tomara o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra”. Esta palavra chegou ao conhecimento de Naamã através de sua mulher, e este foi ter com o rei da Síria, o qual lhe falou: “Vai, anda, e enviarei uma carta ao rei de Israel”.


          DESENVOLVIMENTO

         
Naamã se preparou e partiu levando consigo dez talentos de prata, seis mil ciclos de ouro e dez vestes festivais, juntamente com a carta do rei da Síria. Tendo lido a carta, o rei de Israel rasgou os seus vestidos e disse: “Acaso sou Deus com poder de tirar a vida ou dá-la, para que este envie a mim um homem para eu curá-lo de sua lepra? Notai e vede que procura um pretexto para romper comigo”.

         
Ouvindo, porém, Eliseu, homem de Deus, que o rei de Israel rasgara as suas vestes, mandou dizer ao rei: “Porque rasgaste as tuas vestes? Deixa-o vir a mim e saberá que há profeta em Israel”.

         
Veio, pois, Naamã com os seus cavalos e os seus carros e parou à porta da casa de Eliseu, o qual lhe enviou um mensageiro, dizendo: “Vai, lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será restaurada e ficarás limpo”. Naamã, porém, muito se indignou e se foi, falando da sua decepção com o rei de Israel e agora com o profeta Eliseu, pois as coisas não tinham acontecido como ele imaginava. No caminho, um dos seus servos passou a aconselhá-lo dizendo: “Meu pai, se te houvesse dito o profeta alguma coisa difícil, acaso, não a farias? Quanto mais, já que apenas te disse: Lava-te e ficarás limpo”.

         
Então, desceu e mergulhou no Jordão sete vezes, conforme a palavra do homem de Deus; e a sua carne se tornou como a carne de uma criança, e ficou limpo.

         
Voltou Naamã ao profeta com toda a sua comitiva, e pôs-se diante dele dizendo: “Agora reconheço que em toda a terra não há Deus, senão em Israel”. Depois lhe ofereceu um presente, mas Eliseu recusou aceitá-lo, apesar da insistência de Naamã.

         
Então ele disse ao homem de Deus: “Se não queres, peço-te que ao teu servo seja dado levar uma carga de terra de dois mulos; porque nunca mais oferecerá este teu servo holocausto nem sacrifício a outros deuses, senão ao Senhor”.


          CONCLUSÃO

         
Por que Naamã desejou uma carga de terra de dois mulos, da terra de Israel? Por que ele não se interessou por outra coisa, talvez mais fácil de transportar, como um cântaro de água do Jordão, por exemplo?

         
Quando o Senhor introduziu o povo de Israel na terra prometida, disse a todos que aquela terra era a herança do Senhor para o seu povo, a qual não poderia ser vendida, mas que deveria ser passada de pais para filhos, por todas as gerações.

         
Naamã desejou uma carga de terra, porque entendeu que ela era a herança do Senhor para ele também, pois a partir daquele momento o Senhor seria o seu Deus. O que ele havia adquirido naquele dia, não era simplesmente uma cura, mas uma herança, uma salvação eterna que ele não trocaria por nada no mundo.

         
Quando temos uma experiência com o Senhor Jesus, o que deve permanecer nas nossas vidas, não é a simples lembrança da bênção, sem um compromisso de definição e transformação de vida. Deus não está operando na vida das pessoas para colocá-las numa religião depois disso, mas Ele está nos levando a entender que tem uma herança para nós, um projeto de Salvação que nos leva à Eternidade.

         

Esta herança deve permanecer conosco todos os dias da nossa vida, através da comunhão com o Senhor Jesus e da revelação que o Seu Espírito Santo tem nos dado a cada dia.

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).