PROCLAMANDO A VOLTA DO SENHOR JESUS!




"E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida” -Apocalipse 22:17



sexta-feira, 22 de julho de 2016

O novo currículo escolar e o banimento da História do Cristianismo



No início deste ano circulou pela Internet a notícia de que o Governo Federal estaria arquitetando um plano para banir do currículo escolar do país a história do Cristianismo. O alerta teria partido do professor e historiador Marco Antônio Villa, em sua coluna no jornal ´O Globo´. 
Mas, ao ler o artigo “A revolução cultural do PT” percebi que Villa chamava a atenção para uma certa “Base Nacional Comum Curricular” (BNC), um plano do Ministério da Educação que pretende reformular a matriz educacional do país. De acordo com o historiador o documento está recheado de equívocos e de desconhecimento da História. Isso porque, só para ficar em alguns exemplos do ensino médio, o novo currículo não contempla o ensino da História Antiga englobando-se aí estudo da Mesopotâmia, Egito, cultura grega, Império Romano e, é claro, o nascimento do Cristianismo. A História Medieval também foi desprezada, desconsiderando-se a expansão do Cristianismo e seus reflexos na cultura ocidental; as transformações econômico-políticas, especialmente a partir do século XI. 
A afirmação de que governo estaria idealizando um plano para banir a história do Cristianismo do currículo escolar nacional, portanto, não representa completamente a realidade dos fatos. Para sermos exatos, tal banimento ocorre como a consequência lógica da desconstrução de grande parte da História mundial, principalmente do Ocidente, mediante a retirada de certos períodos da humanidade do ensino escolar básico. A História do pensamento cristão é afetada certamente, assim como os relatos do mundo greco-romano e as grandes revoluções mundiais.
Seja como for, a notícia evoca certa preocupação e nos conclama a refletir sobre as implicações práticas desse novo programa curricular. Afinal, longe de representar uma mera direção pedagógica do Ministério da Educação, a escolha do conteúdo fundamental para a formação básica dos estudantes se fundamenta em certas inspirações ideológicas, que influenciam a forma de pensar e a visão de mundo das pessoas. O currículo, segundo afirma o material de divulgação do governo, “precisa preparar os alunos para a vida”[1]. 
Considerando que o ser humano é influenciado em grande medida por aquilo que aprende, somos impelidos a perceber que há muita coisa em jogo nesta proposta do governo federal, com impacto significativo a longo prazo. 
Desenvolvida por determinação do Plano Nacional de Educação (PNE) a proposta da BNC – ainda em fase de consulta pública até 15 de março – prevê quatro áreas de conhecimento: Matemática, Linguagens, Ciências da Natureza e Humanas; sendo esta última a que mais inspira críticas e preocupação, onde está alocada a História.
A compreensão da História é importante porque, como escreveu Michael D. Palmer, “toda importante teoria de fundo do universo também afirma ou implica algo sobre a história em sua ideologia”[2]. Enquanto os cristãos, por exemplo, olham para o passado da humanidade e o desenvolvimento histórico à luz do propósito divino, os naturalistas afirmam uma visão cegamente mecânica, como produto dos seres humanos interagindo entre si e com as forças naturais impessoais [3]. 
Desse modo, a própria metodologia empregada para o ensino dessa disciplina direciona o modo como os alunos podem compreender boa parte da dimensão da vida e da construção dos valores. Por isso, quando usada de forma negativa, a História pode servir como ferramenta de doutrinação ideológica, dominação e ocultação da verdade. Regimes totalitaristas são pródigos em tentar desconstruir o passado e recontá-lo de acordo com sua conveniência. O livro “1984” do escritor George Orwell demonstra isso de modo brilhante. Nesta obra de ficção, a autoridade máxima (o Partido) fazia de tudo para alterar a realidade do passado, apagando e reescrevendo, inclusive, o conteúdo dos livros históricos.
De volta ao currículo, percebe-se que a proposta apresenta uma metodologia pedagógica multiculturalista, que pretende levar o aluno a conhecer a história a partir da realidade sociocultural brasileira. O novo currículo abandona a estrutura clássica da história baseada no esquema temporal (Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna, Idade Contemporânea), colocando em seu lugar um método baseado nos diferentes “mundos”: Mundos brasileiros; Mundos ameríndios, africanos e afro-brasileiros; Mundos americanos e; Mundos europeus e asiáticos. 
Além de retirar a perspectiva cronológica do desenvolvimento da humanidade, criando uma História sem tempo [4], a nova metodologia materializa a aversão ao chamado eurocentrismo (a Europa como o centro), e tudo o que isso representa, especialmente as grandes navegações e as conquistas da Europa cristã. E assim, contra essa visão “imperialista e conquistadora”, como costumam rotular, apresenta-se um ensino baseado nos diferentes “mundos” e diferentes culturas. 
Embora a crítica ao eurocentrismo não seja de todo equivocada, a desconstrução do modelo clássico, na forma proposta, é perigosa, pois desconsidera as importantes contribuições do Cristianismo no percurso das civilizações. Demétrio Magnóli observou que: “Sem a Idade Média europeia, [os alunos] jamais entenderão a importância das religiões monoteístas na formação de sociedades que, pela primeira vez, englobaram grupos geográfica e culturalmente diversos por meio de valores éticos universalistas” [5]. A fragmentação da história tenta apagar a marcante linha da influência da cristandade sobre o ocidente, suas tradições e cultura, apresentando em seu lugar um panorama segmentando do mundo, que não apenas reconhece, mas incentiva o multiculturalismo.
Diante das evidências inegáveis do passado, desconsiderar a contribuição do Cristianismo na história mundial é um ato insano, que somente pode ser compreendido como uma tentativa de manipulação pela mentalidade pós-cristã e secularizada do nosso tempo. Isso porque, como demonstra o historiador Chistopher Dawson [6], a religião é a alma da cultura e o Cristianismo, especialmente, se tornou uma força moral e social no mundo ocidental, a partir do pressuposto que Deus se importa com o homem e com a história do mundo. Segundo Dawson, ou reapropriamos uma cultura cristã vital ou avançamos em direção a expressões mais perigosas e alienadas de consumismo e totalitarismo. 
Desse modo, ainda que não seja o objetivo direto do novo currículo escolar banir o ensino da história do Cristianismo, o modelo pedagógico proposto parece partir de uma perspectiva ideológica que rejeita suas contribuições históricas. Diante disso e da importância do currículo básico para a formação dos estudantes, é indispensável que os cristãos em geral, principalmente os especialistas na área, analisem com cuidado e discernimento (1 Co 2.15) o teor do documento, a fim de antever as suas implicações para a sociedade em geral; não somente a respeito deste tema, mas de muito outros que constam na proposta. 
Artigo publicado originalmente no Mensageiro da Paz - Março de 2016.
Referências
[1] Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/. Acesso em 29.01.16.

[2] PALMER, Michael. Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p. 32.

[3] Idem.

[4] Expressão usada por Demétrio Magnoli e Elaine Senise Barbosa. Disponível em: 
http://oglobo.globo.com/opiniao/historia-sem-tempo-17719022. Acesso em 29.01.16.

[5] Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2015/11/1703011-proposta-do-mec-para-ensino-de-historia-mata-a-temporalidade.shtml. 
Acesso em 29.01.16.

[6] DAWSON, Christopher. Progresso e religião. São Paulo: É Realizações, 2012.

Perfil
Valmir Nascimento é ministro do evangelho, jurista, teólogo e mestrando em teologia. Possui pós-graduação em Direito e antropologia da religião. Professor universitário de Direito religioso, Ética e Teologia. Editor da Revista acadêmica Enfoque Teológico (FEICS). Membro e Diretor de Assuntos Acadêmicos da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). Analista Jurídico da Justiça Eleitoral. Escritor e palestrante. Comentarista de Lições Bíblicas de Jovens da CPAD (Jesus e o seu Tempo). Evangelista da Assembleia de Deus em Cuiabá/MT.

CPADNEWS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).

SOCIAL MEDIA


Wallace Oliveira Cruz

MARCADORES