PROCLAMANDO A VOLTA DO SENHOR JESUS!




"E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida” -Apocalipse 22:17



sábado, 2 de junho de 2012

A pedra

Jesus, pois, comovendo-se outra vez, profundamente, foi ao sepulcro. E era uma gruta e tinha uma pedra posta sobre ela.

Disse Jesus:

- Tirai a pedra.

Marta, irmã do defunto, disse-lhe:

- Senhor, já cheira mal, porque está morto há quase quatro dias.

Respondeu-lhe Jesus:

- Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?


E ERA UMA GRUTA E TINHA UMA PEDRA POSTA SOBRE ELA.


Os sepulcros da época podiam ser grutas naturais, como a de Macpela, onde Abraão, Sara, Isaque, Rebeca, Jacó e Léia foram sepultados (Gn 49:31-33), ou cavernas escavadas na rocha, como era o túmulo do rico José de Arimatéia (Lc 23:53, Jo 19:41).


O funeral se dava assim: primeiro o cadáver era lavado e perfumado com uma mistura de mirra e aloés. Depois o rosto era envolto em lenços e o seu corpo todo era enrolado e amarrado com lençóis. Em seguida transportavam o cadáver até a gruta e o depositavam em um leito de pedra, esculpido no chão. Não era costume cobrir o defunto com terra, nem o trancar em caixões ou gavetas de cimento.i

Os familiares, ainda no interior da gruta, se despediam do morto, saíam e fechavam a entrada com uma grande pedra redonda (Mt 27:60). Esta pedra – parecida com uma enorme roda – corria sobre canaletas no chão, para facilitar as visitas dos familiares que, periodicamente, retornavam ao sepulcro. Nessas visitas, eles rolavam a pedra para o lado e entravam na gruta para rever o falecido e lançar mais perfumes sobre o cadáver.


TIRAI A PEDRA. Jesus poderia ter dado Ordem à pedra para que rolasse sozinha. E, com certeza, ela obedeceria. Afinal, um dia Ele tinha tido: “Se Tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: passa daqui para acolá, e ele há de passar. E nada vos será impossível” (Mt 17:20).


Esta seria a hora perfeita para Jesus demonstrar isso na prática e impressionar todos os que ali estavam. Se Ele tivesse dito “Pedra, saia daí!”, a pedra teria obedecido. Por que Ele não fez isso? Porque ressuscitar o defunto é a parte Dele. A nossa é tirar a pedra. Quando Ele disse “tirai a pedra”, é como se propusesse uma tarefa em conjunto: “Vamos ressuscitar o defunto?”. E nós, feito crianças, responderíamos: “Vamos!”. E Ele diria: “Então, vocês tiram a pedra e Eu levanto o morto”. Deus quer fazer maravilhas, mas com a participação fervorosa de Suas criaturas!


SENHOR, JÁ CHEIRA MAL, PORQUE ESTÁ MORTO HÁ QUASE QUATRO DIAS. Marta se opõe à retirada da pedra. Jesus declara que, se ela crer, verá a glória de Deus. Afinal, só move a pedra a pessoa que tiver a fé do tamanho de um grão de mostarda. Se Marta não tivesse tirado a pedra, ainda que Jesus pudesse fazê-lo, não teria operado o Seu mais impressionante sinal: ressuscitar um cadáver de quatro dias, já apodrecido e cheio de vermes!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e e-mail válido).

SOCIAL MEDIA


Wallace Oliveira Cruz

MARCADORES